A depressão e o mundo; a inocência e a esperança.

É difícil ficar animado e esperançoso num mundo tão caótico, indiferente e predador. Os ensinamentos fundamentais do ser humano, na sociedade atual, são direcionados à perpetuação da escravatura moderna, onde os trabalhadores extenuam-se durante a maior parte da vida, não para comer, subsistir e engrandecer o espírito, mas para consumir.
O consumo ganhou status cultural de fim que justifica e dá razão à existência.
Não é de se admirar que muitas pessoas tenham, nos dias de hoje, depressão. Depressão contundente e presente como um traço claro do efeito colateral da eterna frustração do inatingível nirvana material.
Mas esse traço perverso do paradigma social se apresenta à medida que a consciência dos processos e dos movimentos da sociedade – massa consumidora manipulável – chega com a experiência de vida. Se a consciência vem, vem a depressão. Lados da mesma moeda. Cara e coroa.
Depressão que é fruto do mundo. Do mundo do homem. Espécie que se adapta e evolui.
Os animais não sofrem de depressão. Ou será que você conhece um passarinho com depressão?!
Será evolução viver em paz com as contradições que vemos e ouvimos todos os dias?
Se assim for, a evolução tratará de me eliminar…
Mas resta a esperança – resta a inocência.
Tenho esperança de um porvir diferente, pois a inocência nasce com cada novo ser. A inocência é a pagina em branco sobre a qual pode ser escrita qualquer história evolutiva, inclusive a nossa. Essa história evolutiva pode ser diferente e focada nas questões essenciais e fundamentais para a verdadeira evolução do homem.
A evolução do homem ganhou, com os adventos tecnológicos e científicos, importantes aliados, que poderão ajudar a escrever, a partir da inocência que se renova a cada nascimento, uma história melhor no futuro.
Por enquanto, nos resta esperar e ter esperança.
Bjs,
nvs